gallery/logo nova

Visão - Estabelecer a soja em geral, e o tempeh em particular como fonte de proteínas para os humanos.

 

Missão - Disponibilizar o tempeh como fonte protéica vegetal de alta qualidade como alternativa a proteína animal, se tornando referência de alimentação saudável e nutritiva para os clientes e conscientizar os consumidores sobre os malefícios de ingerir proteína de soja texturizada.

 

Valores - Promover a utilização de produtos tradicionais de alimentos produzidos de maneira ecológicamente responsável. Não buscamos a comercialização do tempeh apenas pelo lucro, mas pela valorização do produto através da disponibilidade do produto no mercado.

Priorizar o consumidor tornando nosso produto acessível economicamente dentro da filosofia do preço justo.

Utilizar métodos de produção que reduzam o impacto ambiental reaproveitando os resíduos.

Trabalhar sempre dentro dos padrões de higiene, priorizando sempre a segurança alimentar do consumidor.

História do Tempeh

 

O uso da soja como alimento é conhecido há pelo menos dois mil anos. Os chineses por esta época já a usavam fermentada para fazer o molho de soja. Embora não se conheçam registros escritos sobre o tempeh, estima-se que seja usada na Indonésia desde o início século XVII, tendo provavelmente surgido na Ilha de Java e dali se espalhado para as outras ilhas da Indonésia, onde vem sendo consumida pela população em uma enorme variedade de pratos.

No séc. XVII, a Indonésia se torna colônia holandesa e com isso o tempeh passa a ser consumido fora da Indonésia. Nos anos 1970, começa a se espalhar nos EUA e hoje é consumido em diversos países da Europa e também no Canadá. Nos últimos anos, vem sendo introduzido no Brasil, podendo ser encontrado diretamente com os produtores e em estabelecimentos comerciais.

 

Maiores informações poderão ser obtidas no livro The book of tempeh, William Shurtleff & Aoyagi, 1979. 

Informações Nutricionais

 

A  soja é reconhecida por suas propriedades nutricionais: o baixo teor de calorias, as expressivas quantidades de sais minerais como o cálcio e o ferro e o seu alto índice protéico que a leva a rivalizar com os produtos de origem animal. Mas o que muita gente não sabe é que boa parte desse potencial nutritivo não é assimilável pelo  nosso organismo com o grão in natura porque a soja, como outras leguminosas, contém fitatos (antinutrientes) que impedem a absorção dos nutrientes nela contidos. Por isso, os orientais há centenas de anos desenvolveram técnicas para transformar a soja, usando métodos como extrair o sumo e processá-lo (tofu) ou fermentá-la com fungos e bactérias criando alimentos  como o misso, o shoyu, o natto e o tempeh. Neste caso, estes podem digerir a soja, produzindo enzimas que quebram as proteínas e  as gorduras  e anulando os antinutrientes permitindo assim que os minerais nela contidos (como o cálcio e o ferro) sejam absorvidos pelo nosso organismo. Além desses dois minerais, ela também é uma boa fonte de magnésio, fósforo e cobre, e uma excelente fonte de manganês, todos importantes para a manutenção da saúde.

 

Algumas vitaminas também estão presentes no tempeh, principalmente as do grupo B, dentre as quais a piridoxina (B6) comparece com a maior quantidade por 100 gramas de tempê fresco, 830 mcg.

 

Por tudo isso, o tempeh é um alimento quase completo, que supre a maior parte das quantidades diárias necessárias recomendadas pelos nutricionistas. 

gallery/informações nutricionais
gallery/tempeh banana